Pular para o conteúdo principal

Os 3 pilares para um condomínio seguro

Chave para manter um condomínio seguro: possuir tecnologia suficiente, funcionários preparados e moradores conscientes.

Normalmente o que leva uma pessoa a desejar morar em um condomínio é a questão da segurança. Essa percepção é válida, já que a grande maioria dos condomínios possuem um sistema de segurança 24h que garante uma sensação de proteção aos moradores. 

Mas, o que é necessário para que o condomínio tenha um sistema de segurança confiável e que de fato funcione? Existem três pilares que são fundamentais no combate às ameaças externas e internas e todo especialista em segurança condominial deve estar atento aos detalhes.

Segurança Física 
A tecnologia é uma grande aliada dos condomínios e, se bem utilizada, garante uma ótima segurança aos moradores e a todos que frequentam o empreendimento. Os equipamentos de prevenção a furtos e roubos são diversos tais como o monitoramento por Circuito Fechado de Televisão (CFTV), cerca elétrica, portão automático, biometria, sensores de presença e fumaça, eclusas de carros e pedestres, dentre outros. 

Funcionários 
Os funcionários são tão importantes quanto os equipamentos de segurança. É deles a função é proteger as áreas através do monitoramento remoto e da vigilância dos ambientes internos. Por isso, o condomínio deve sempre investir em capacitação e treinamentos para elevar o nível de atendimento e profissionalismo. 

Moradores
Quando se mora em condomínio, a segurança de um depende da conscientização do outro. O próprio morador pode fragilizar a segurança caso ele não colabore com os procedimentos adotados pelo condomínio. Por isso, os cuidados com os pequenos hábitos devem ser redobrados. 

Implantação do sistema de proteção 

Não é barato implantar um sistema de segurança e mantê-lo funcionando perfeitamente. Para isso, antes de comprar e instalar os equipamentos, o correto é consultar um especialista em segurança. Ele poderá auxiliar o síndico, tornando o projeto mais eficiente e menos oneroso.

É comum encontrar condomínios que investiram milhões em um sistema que finge ser seguro. Isso acontece por que o condomínio abre mão do auxílio especializado e acaba instalando equipamentos que não atendem às suas reais necessidades.

Procedimento interno de segurança

Muitos moradores e funcionários desconhecem os procedimentos internos de segurança e isso também é um grande problema. Cabe ao síndico, de forma periódica, dar publicidade sobre os procedimentos existentes para que todos saibam e tenham sempre em mente o que deve ou não ser feito.

Caso haja necessidade, os procedimentos poderão ser alterados e repassados aos moradores e funcionários do prédio. Se preferir, o síndico juntamente com a comissão de segurança, poderão aplicar treinamentos visando, principalmente, reeducar a todos sobre a importância de seguir à risca os padrões definidos para manter a segurança do condomínio.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corrupção em Condomínio: como combatê-la?

Não seja omisso, fiscalize!

A corrupção é um problema polêmico e comum nos condomínios da cidade, mas, alternativas para combatê-la estão surgindo. A nova legislação e a evolução da categoria são fatores que fazem com que os corruptos percam espaço. O síndico deixou de ser morador e se profissionalizou, exigindo obrigações e responsabilidades que precisam ser assumidas pelo gestor. Hoje, o cuidado em zelar pelo patrimônio de terceiros deve ser maior, pois o responsável pelo condomínio responde civil e criminalmente por suas ações. 
Segundo o Artigo 1348 do Código Civil, compete ao síndico ”representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos direitos comuns”. O Código de Ética dos Profissionais de Administração (CEPA) é categórico ao dizer que, é dever do profissional exercer a profissão com zelo, diligência e honestidade.
Mesmo com todos os impasses, a corrupção ainda existe e o condômino precisa estar atento. O morador …

Deixe que eu me apresente

Olá! Sejam bem vindos ao meu blog: 365 dias com o SÍNDICO.
Meu nome é Victor Pigato, sou especialista em gestão imobiliária e atuo como síndico profissional em São Paulo. Criei a  missão de trazer dicas sobre como resolver os problemas do dia a dia de um condomínio, de como elevar a qualidade de vida dos moradores e os cuidados que se deve ter com a segurança de todos. Toda semana irei compartilhar assuntos relevantes tanto da perspectiva do condômino, quanto da administração.
Nos veremos no próximo post, até lá!

O problema com o tamanho das vagas de garagem tem solução? O especialista responde

O tamanho das vagas de garagem pode, muitas vezes, complicar a vida de quem mora em condomínio. Os moradores encontram esse problema ao se depararem com muitas vagas P, poucas M e quase nenhuma G. Com o aumento da frota na cidade e com a diminuição das vagas, agravaram-se os problemas nos estacionamentos dos condomínios, deixando tanto os moradores, quanto os síndicos, desorientados. 
As reclamações também acontecem por conta da dificuldade dos motoristas na hora de manobrar o carro. Por conta de alguns utilitários ocuparem mais espaços nos corredores, a tarefa de estacionar torna-se um problema para um considerável número de moradores. Por outro lado, os proprietários de veículos grandes, reclamam das poucas vagas disponíveis no tamanho “G”.
A padronização das vagas de garagem deve seguir a determinação da Prefeitura que, em 1992, estabeleceu o Código de Obras da cidade. De acordo com a norma, em São Paulo, os estacionamentos passam a ter os seguintes limites: 50% das vagas são de t…