Pular para o conteúdo principal

O inadimplente pode perder o imóvel? Segundo o NCPC, mais rápido do que nunca

Modernização do Código de Processo Civil deixa as ações de cobrança mais rápidas

O condômino que deixar de contribuir com a taxa condominial, além de ter o nome restrito nos órgãos de proteção de crédito, terá que ser rápido para regularizar a dívida. O Novo Código de Processo Civil (NCPC), de 2016, é um aliado do condomínio e torna o processo de cobrança mais rápido e eficiente. Isso acontece por que a ação judicial deixou de ser de cobrança e se tornou de execução, eliminando todo o trâmite burocrático que envolvia e atrasava o antigo processo de cobrança.

Agora é simples, se o pagamento do condomínio atrasar um dia, o NCPC permite que a ação seja tomada e qualquer interferência que possa adiar a decisão judicial será descartada. Com a nova norma, o devedor será intimado pelo juiz e terá o prazo de três dias para regularizar o débito. Caso a dívida não seja quitada dentro do prazo estabelecido, a justiça tomará as providências necessárias visando reaver o prejuízo causado ao condomínio.

A primeira providência seria o bloqueio das contas e em seguida a busca por bens em nome do devedor. Se nada for encontrado, o próprio imóvel pode ser leiloado para regularizar a dívida. Para ingressar com a ação na justiça contra o inadimplente, o condomínio precisará encaminhar toda documentação comprobatória da dívida para um advogado, que dará as devidas instruções do processo. Vale lembrar que, uma cobrança indevida pode ocasionar em danos morais trazendo maior prejuízo ao condomínio.

Alternativa para solucionar problemas

A justiça particular é uma alternativa muito eficaz. As conversas entre os moradores e o auxílio do síndico podem resolver, de forma simples, questões como infiltrações, perturbação do silêncio e até mesmo de inadimplência, sem que haja a interferência da justiça.

O Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem (Comina) pode ser convidado a palestrar no condomínio, ajudando os condôminos a formarem um melhor entendimento sobre como resolver conflitos internos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corrupção em Condomínio: como combatê-la?

Não seja omisso, fiscalize!

A corrupção é um problema polêmico e comum nos condomínios da cidade, mas, alternativas para combatê-la estão surgindo. A nova legislação e a evolução da categoria são fatores que fazem com que os corruptos percam espaço. O síndico deixou de ser morador e se profissionalizou, exigindo obrigações e responsabilidades que precisam ser assumidas pelo gestor. Hoje, o cuidado em zelar pelo patrimônio de terceiros deve ser maior, pois o responsável pelo condomínio responde civil e criminalmente por suas ações. 
Segundo o Artigo 1348 do Código Civil, compete ao síndico ”representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos direitos comuns”. O Código de Ética dos Profissionais de Administração (CEPA) é categórico ao dizer que, é dever do profissional exercer a profissão com zelo, diligência e honestidade.
Mesmo com todos os impasses, a corrupção ainda existe e o condômino precisa estar atento. O morador …

Deixe que eu me apresente

Olá! Sejam bem vindos ao meu blog: 365 dias com o SÍNDICO.
Meu nome é Victor Pigato, sou especialista em gestão imobiliária e atuo como síndico profissional em São Paulo. Criei a  missão de trazer dicas sobre como resolver os problemas do dia a dia de um condomínio, de como elevar a qualidade de vida dos moradores e os cuidados que se deve ter com a segurança de todos. Toda semana irei compartilhar assuntos relevantes tanto da perspectiva do condômino, quanto da administração.
Nos veremos no próximo post, até lá!

O problema com o tamanho das vagas de garagem tem solução? O especialista responde

O tamanho das vagas de garagem pode, muitas vezes, complicar a vida de quem mora em condomínio. Os moradores encontram esse problema ao se depararem com muitas vagas P, poucas M e quase nenhuma G. Com o aumento da frota na cidade e com a diminuição das vagas, agravaram-se os problemas nos estacionamentos dos condomínios, deixando tanto os moradores, quanto os síndicos, desorientados. 
As reclamações também acontecem por conta da dificuldade dos motoristas na hora de manobrar o carro. Por conta de alguns utilitários ocuparem mais espaços nos corredores, a tarefa de estacionar torna-se um problema para um considerável número de moradores. Por outro lado, os proprietários de veículos grandes, reclamam das poucas vagas disponíveis no tamanho “G”.
A padronização das vagas de garagem deve seguir a determinação da Prefeitura que, em 1992, estabeleceu o Código de Obras da cidade. De acordo com a norma, em São Paulo, os estacionamentos passam a ter os seguintes limites: 50% das vagas são de t…